Available Filters

Discursos e narrativas: entre conflitos e deslocamentos

Antônio Luiz Assunção, Argus Romero Abreu de Morais, Eliana da Conceição Tolentino

Para compartilhar:

Descrição

PREFÁCIO

Prefaciar um livro de ensaios é, em geral, uma atividade desafiante, mas ao mesmo tempo prazerosa. É desafiante porque nos convoca a enfrentar pesquisas acadêmicas diversas que, mesmo sendo de áreas afins, apresentam especificidades metodológicas e complexidades teóricas que nos desalojam do nosso campo próprio. E ao mesmo tempo, é uma tarefa prazerosa, porque o prefaciador tem a feliz oportunidade de ter nas mãos, pela primeira vez reunidos em livro, um conjunto de textos que expressam o trabalho crítico de pesquisadores dispostos ao diálogo e à troca de experiências acadêmicas.

O prefaciador também é desafiado a interagir com a proposta que presidiu à organização do volume, uma vez que a obra representa, ou apresenta, de alguma forma, o perfil intelectual do seu organizador e do seu editor.

Dessa forma, mesmo que os textos já tenham sido dados a público nas comunicações dos eventos acadêmicos, recebê-los de novo, agora juntos e ordenados segundo o objetivo almejado pelos organizadores, traz um sabor de ineditismo. Rearranjados como livro, o conjunto dos textos convoca uma outra leitura, e oferece um novo prazer.

No caso deste Discursos e narrativas: entre conflitos e deslocamentos, temos o resultado da reunião de pesquisadores e professores em torno de um eixo temático, o deslocamento, e da representação dos conflitos provocados por ele em diferentes tipos e gêneros de discursos e narrativas, produzidos em circunstâncias específicas de momentos diversos, compreendidos entre o século XIX e o presente primeiro quartel do século XXI. Da reunião desses especialistas resultou o equilibrado diálogo entre conceitos e reflexões teóricas diferentes, mas convergentes, e os instigantes exercícios de crítica literária e análise de discurso, que agora se apresentam.

O Programa de Pós-graduação em Letras da UFSJ abriga campos de saberes das ciências humanas e sociais, e essa convivência de áreas de estudos levou à organização dos ensaios em seções que permitem ao leitor transitar pelos textos, com o apoio da referência intitulada em cada uma das três seções. Assim, as duas áreas do PROMEL estão bem representadas nos estudos agrupados segundo sua convergência teórica, crítica e temática.

Na primeira parte, Narrativas do contemporâneo, o conceitotema do deslocamento será configurado a partir de um viés teórico abordado de modo rigoroso e (in)formativo, no texto “Da diáspora; a atualidade da obra de Stuart Hall”. Acompanhando de perto o pensamento, inaugural para os Estudos Culturais, do sociólogo anglo-jamaicano, a ensaísta situa perfeitamente o debate desse campo, articulado com as questões produzidas pelas “sociedades multiculturais”, na emergência do “fenômeno pós-colonial” e no âmbito do controvertido “pós-modernismo.”

Enfrentando a complexa interação crítica do pensamento de Stuart Hall com nomes como Marx, Althusser e Gramsci, a autora maneja com desenvoltura os conceitos e as ferramentas teóricas do debate contemporâneo sobre cultura dominante, diáspora e assunção das marginalidades, vistas como raça, cor, gênero, periferias, minorias em geral. Trata-se de um “novo tipo de política cultural”, visando “à mudança no equilíbrio do poder nas relações da cultura”.

Três trabalhos críticos compõem a seção, em diálogo com o marcador teórico do primeiro texto citado. São eles: “Colonização/descolonização – deslocamentos e conflitos”; “Identidade e trauma em O retorno; e “A literatura da diáspora asiática nos Estados Unidos”. Todos os autores literários abordados pelos críticos nesses capítulos trataram, de alguma maneira, de deslocamentos entre centro e margem, e entre discurso hegemônico e discursos subalternos emergentes. Essa questão dos discursos ativa, inclusive, a disputa entre o cânone literário e as narrativas que desafiam os gêneros, misturando ficção e memória, invenção e experiência subjetiva.

“Sujeito em percurso”, “sujeitos transnacionais”, “representação do trauma” das migrações, “discursos de aceitação e pertencimento”, são as chaves conceituais que orientam os exercícios de análise de escritores relativamente conhecidos da academia brasileira, como Isabela Figueiredo e Dulce Maria Cardoso, mas também nomes de menor circulação fora da academia americana, como Toshi Mori e Hisae Hiamamoto. Jovens portugueses retornados da África ou asiáticos transmigrados para os Estados Unidos, esses autores lidam com subjetividades que substituem “raízes subterrâneas por raízes aéreas”, na bela metáfora usada pelo crítico, para a sua condição diaspórica.

A segunda parte do livro, que leva o título de Literatura e deslocamento (teorias e crítica), agrupa trabalhos realizados a partir da perspectiva comparatista. O viés teórico do texto “Discursos cruzados: o comparatismo e suas relações com a teoria, a crítica e a historiografia literárias” oferece um amplo painel do estado da arte nesse domínio dos estudos literários. E pavimenta os exercícios críticos dos três textos que essa seção abriga.

Inicialmente, o que enfeixa esses trabalhos é a particularidade de que resultam de olhares brasileiros sobre a literatura portuguesa. Esses olhares operam por deslocamento, em muitos sentidos. Por exemplo, em “O que o estudo da epistolografia de Garrett pode ensinar: inferências, esclarecimentos, conflitos, paradoxos”, o pesquisador vai além da imensa fortuna crítica de um dos mais importantes escritores do século XIX, agregando a ela reflexões a partir da parte pouco estudada da sua obra, a epistolografia. Além de se deslocar do cânone crítico, que já consagrou os “escritos de invenção” garrettianos, o ensaio também apresenta um viés comparatista mostrando “o quanto a obra estritamente literária se ilumina no diálogo com a epistolografia”. Isso permitirá que futuros estudiosos possam “traçar outras leituras e outras rotas de interpretação da obra” do autor de Viagens na minha terra.

De certa forma, o mesmo princípio operacional – deslocamento crítico e comparatismo – foi posto em funcionamento no texto “Fernando Pessoa: a palavra em defesa do oculto”. Aqui também os autores não limitam sua atenção à parte mais canonizada da poesia pessoana que inclui a dispersão heteronímica, ou o Cancioneiro, ou a Mensagem, por exemplo. Assim, eles se debruçam sobre o diálogo entre Literatura e Esoterismo, um eixo conhecido, mas não suficientemente estudado pela crítica acadêmica. Seguindo um percurso até de crítica biográfica, os ensaístas buscam de certa forma revelar traços “[d]esse Pessoa reservado [que] se revela em sua poesia esotérica”.

No ensaio “Brasil, feminismo e política na ficção de Ana de Castro Osório”, o deslocamento se dá para o viés de crítica da cultura e estudo de gênero, que orienta a pesquisa sobre o contexto, a vida, o pensamento político e a escrita de Ana de Castro Osório, uma das mais expressivas escritoras portuguesas do início do século XX. A escritora, deslocada para o Brasil, dialoga com outras intelectuais de sua geração, e a leitura dessas vozes femininas permite ao leitor apreender o instigante olhar do crítico (masculino, brasileiro, do século XXI) sobre o seu objeto (voz feminina, portuguesa, da virada do século XIX para o XX). Esses olhares cruzados revitalizam os estudos literários, que vão muito além da leitura imanente dos textos e obras.

A terceira seção do livro “Conflitos e possibilidades críticas dos discursos” contempla, de modo mais específico, a área dos estudos dos discursos, desde suas condições de enunciação, até os meandros da recepção, passando pelos processos de difusão e interação, que se observam no plano das relações institucionais, comunitárias e sociais.

Nos dois primeiros textos dessa parte, “Capital humano: da teoria neoliberal ao dispositivo do mundo corporativo”, e “Teratologia do discurso do ódio”, em que pese a especificidade de cada uma dessas duas pesquisas, temos em comum a reflexão sobre como os discursos tendem a “se projetar como comportamento”.

Na sociedade contemporânea, marcada pelos processos de concentração de riqueza e exclusão de desfavorecidos, vemos a emergência de “uma nova ética do trabalho assentada na ideia de que cada indivíduo é um empreendedor de si mesmo”. Assim, eficiência, autossuperação e competitividade criam um ambiente social vulnerável aos conflitos e aos comportamentos de ódio, que os discursos dos “managers”, dos “coachings”, e também dos porta-vozes das estruturas de exclusão, terminam por introjetar nos sujeitos, resultando no “engajamento completo da subjetividade” à lógica perversa e desumana do empreendedorismo sem limites.

As estratégias de controle dos discursos e suas consequências na construção das subjetividades e das identidades sociais são objeto das pesquisas expressas nos dois textos seguintes dessa seção. “Negociação de sentidos e a enunciação do Outro” trata das “relações entre linguagem e poder”, focando, sobretudo, no processo de “interpelação” dos sujeitos pelos discursos. Segundo o autor, os sujeitos sociais mantêm uma “relação dialética” com a interpelação, cujos efeitos podem ser negativos ou positivos. De um lado, podem desqualificar os indivíduos como incapazes, inclusive da ação de dizer, como é o caso dos doentes mentais, que são constituídos, pela ordem dos discursos, como desprovidos de razão. De outro, os efeitos da interpelação podem ser positivos, ao qualificar os sujeitos como aptos à produção e negociação de sentido do indivíduo no mundo, inclusive de formas de “enunciação do Outro”, como é o caso dos exemplos estudados nos Comentários que exemplificam a reflexão.

Em direção semelhante, o texto “Metáforas da doutrinação” analisa os processos de produção metafórica de discursos de poder, ou de discursos de controle, como é o caso daquele produzido para divulgação do movimento Escola Sem Partido. Recorrendo a estudos que tratam a Metáfora como conceito teórico, e não apenas como figura de linguagem, a autora focaliza, nos extratos do manifesto do movimento citado, a atualização da metáfora “Discussão é guerra”, para configurar a vontade de poder desse tipo de discurso de propaganda.

A guerra, da metáfora acima, será de certa forma metonimizada nas fotografias estudadas no ensaio “Quando a fotografia é resistência”, que fecha o livro. A primeira parte do estudo traz tanto fotografias de cenários e ruínas, com resíduos e vestígios das duas guerras mundiais, como fotografias de espaços em que se produziram vítimas de outra guerra, igualmente assustadora: a violência urbana. A ausência de pessoas nessas fotografias funciona como um testemunho da eliminação e do silenciamento.

A segunda parte do trabalho dedica-se às fotografias de pessoas. São “retratos” de pessoas negras, indígenas, ou simplesmente cidadãos anônimos, periféricos, que, segundo os autores do ensaio, “não tem a intenção de narrar a história privada das pessoas fotografadas”, não tendo, portanto, o caráter de “denúncia social”. No entanto, em todas essas fotografias encontrase o mesmo objetivo: a resistência ao apagamento da história e ao silenciamento imposto a esses sujeitos sociais, e a provocação da leitura crítica dessas imagens instigantes.

Estimular o pensamento crítico pelo diálogo que fomenta o bom debate, e contribuir para a divulgação e discussão das diversas perspectivas teóricas e críticas que circulam na academia constituem a base do trabalho dos pesquisadores e professores. A essa tarefa intransferível do intelectual não se furtaram os estudiosos aqui reunidos.

Maria Luiza Scher Pereira
Juiz de Fora, agosto de 2021.

Informação adicional

Ano de lançamento

2022

Número de páginas

253

ISBN

978-65-5869-774-9

ISBN [e-book]

978-65-5869-775-6

Organização

Antônio Luiz Assunção, Argus Romero Abreu de Morais, Eliana da Conceição Tolentino

Formato

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.