Available Filters

Dos momentos inesperados e interesses surpreendentes: (re)invenção e (re)descoberta na etnografia colaborativa com crianças e jovens

Angeles Clemente, Maria Dantas-Whitney, Regina Coeli Machado e Silva

DOI: 10.51795/ 9786558693604

Para compartilhar:

Descrição

PREFÁCIO

Claudia Turra Magni

A produção colaborativa do conhecimento com/sobre crianças e jovens no âmbito de pesquisas situadas nas interfaces entre Antropologia, Educação e Linguística Aplicada é assunto de extrema relevância, sobretudo em contextos latino-americanos, onde as brutais desigualdades socioeconômicas e políticas, atreladas às opressões culturais, impõem à academia um engajamento perante o combate às persistentes formas de colonialidade do poder/saber (LANDER, 2005).

Ao romperem com a perspectiva adultocêntrica e androcêntrica subjacente à imensa maioria de pesquisas sobre esse sujeito, os integrantes da Red Internacional de Etnografía con Niñas, Niños y Jóvenes (RIENN) fazem eco ao “metálogo” (ou metadiálogo) entre um pai e uma filha, com o qual Gregory Bateson (1987 [1972]) inicia seu livro Steps on an ecology of mind. Segundo Nora Bateson (DEMARCHI; LIMA; MORIM, 2013), seu pai estava sempre aprendendo, com tudo e com todos, inclusive com ela, enquanto criança. Sua concepção ecológica da mente, das ideias e da vida impedia-lhe de aceitar uma construção do saber fundada na separação entre natureza e cultura, razão e emoção, ethos e eidos, sujeito e objeto da ciência. Da mesma forma, os autores/as desta coletânea rejeitam os dualismos que embasam cânones científicos assentados em assimetrias entre sujeito e objeto, representações emic e etic, ambientes intra e extra-escolar. Para eles/elas, o processo de construção do conhecimento depende de relações dialógicas e simétricas tecidas na intersubjetividade do encontro etnográfico.

Esta é a terceira coletânea resultante de uma década de encontros científicos da RIENN. As reflexões e o abundante material etnográfico apresentados em oito capítulos, divididos por três tópicos, estão articulados por sólido suporte conceitual, proveniente de bibliografia vasta e atualizada. A originalidade dos estudos aqui reunidos deve-se à luz colocada sobre a potência epistêmica dos “momentos inesperados e interesses surpreendentes” no decorrer dos processos investigativos.

Malinowski (1978 [1922]) já apontava a relevância dos “imponderáveis” da vida real na sustentação da “observação participante” como parte do método etnográfico. Mas é sobretudo a noção de “observação flutuante” que podemos acionar quando se evoca o “inesperado” e a “surpresa” como recorte temático e fundamento teórico-metodológico de pesquisas etnográficas. Esse conceito, cunhado por Colette Petonnet (2008: 100), consiste em “permanecer disponível, sem atenção a um objeto preciso”. Ao se deixarem levar pelas crianças e jovens, sem direcionamento a priori, tanto em trabalho de campo, quanto na condução reflexiva e analítica do material empírico, os/as pesquisadores/as, de certa forma, renunciam ao seu lugar de autoridade acadêmica e apostam numa antropologia reversa (WAGNER, 2010).

Nos capítulos que se servem de imagens, elas não cumprem um papel ilustrativo. Constituem eixos centrais da relação dialógica com os/as interlocutores/as, fonte de análise e modo de restituição dos processos e resultados das pesquisas. Em seus filmes etnográficos, Jean Rouch atribuía um estatuto semelhante às imagens: longe de serem consideradas dados objetivos capazes de provar a realidade do outro, eram dispositivos de compartilhamento, capazes de mobilizar eventos performativos, agenciar a imaginação e a comunicação entre seus parceiros de pesquisa e com o público receptor. Através de uma antropologia compartilhada, realizada por meio do cinema, Rouch antecipava, 9 em algumas décadas, respostas às críticas pós-modernas sobre a autoridade etnográfica.

Quanto às noções de “(re)invenção” e “(re)descoberta”, destacadas no subtítulo da presente obra, elas apontam para a potência poética do encontro etnográfico. Em “A invenção da cultura”, Roy Wagner (2010) já destacava o caráter criativo deste encontro entre antropólogos e nativos, ambos “seres culturais”, com paridade epistemológica. Para o autor, a inventividade não se restringe à nossa cultura, pois também concerne à cultura do outro, mas ainda, à própria noção de “cultura” e de “antropologia”. “(Re)inventar” e “(re)descobrir” também fazem parte dos chamados de Donna Haraway (2019) frente à intolerável destruição da diversidade e extinção de mundos em nosso planeta. É por isso que ela nos convida a cultivar comunidades de compostagem, semear mundos, constituir parentescos radicais, “devir com”, estabelecer conexões, viver densamente uns com os outros, promover práticas narrativas colaborativas que abram portas à imaginação e permitam a recriação da vida sobre a Terra. Para esta vasta missão coletiva, a presente coletânea é exemplo e fonte de inspiração.

Referências BATESON, Gregory. Steps to an Ecology of Mind: collected essays in anthropology, psychiatry, evolution, and epistemology. San Francisco: Chandler Pub. Co, [1972] 1987. DEMARCHI, A.; LIMA, M.R.P.; MORIM, A.G.; et al. Uma conversa sobre ecologia da mente: entrevista com Nora Bateson. Enfoques – Revista dos Alunos de PPGSA-UFRJ, v.12(1), junho 2013. [on-line]. Pp. 266-283. Disponível em: http://issuu.com/revistaenfoquesufrj/ docs/vol12_1, acesso em: 27/09/2020

HARAWAY, Donna. Seguir con el problema. Generar parentesco en el Chthuluceno. Traducción de Helen Torres. Bilbao: Edición Consonni, 2019. LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978. PETONNET, Colette. A observação flutuante: o exemplo de um cemitério parisiense. Antropolítica, Niterói, n.25, p.99-111, 2008. WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo, Cosac Naify, 2010.

Informação adicional

Ano de lançamento

2021

ISBN

978-65-5869-359

ISBN [e-book]

978-65-5869-360-4

Número de páginas

310

Organização

Angeles Clemente, Maria Dantas-Whitney, Regina Coeli Machado e Silva

Formato